Life- Programa de Intervenção Domiciliar
O LIFE é um programa individual e personalizado que é planejado sob a demanda de pessoas com deficiência e dificuldades, idealizado pelo Terapeuta Ocupacional Régis Nepomuceno. A palavra Life foi escolhida para representar os pilares que escolhemos na certeza de contemplar os mais abrangentes aspectos do ser humano, que são eles:

L de Laboral
I de Inclusão Social
F de Funcionalidade
E de Escolaridade

• L de Laboral, pensando que todo indivíduo deve ter seu trabalho, seja ele qual for, dentro da área que escolher e frente as habilidades e dificuldades que tiver, este deve ser pensado desde sempre e não esperar que aconteça ou não, já na fase adulta.
• I de Inclusão, quando se trabalha com criança, comumente pensamos que a inclusão só é escolar, pouco se sabe, porém, que a Inclusão deve acontecer em todos os ambientes, a escola é só um deles, deve ser envolvido todos os ambientes, olhar para um todo é necessário e acreditamos que com uma intervenção vivenciada amplamente garante um sucesso neste quesito tão importante da vida.
• F de Funcional, que também poderia ser I de Independência, ou A de Autonomia, mas não teria todo charme de potencializar cada um dentro de sua habilidade, de compensar ou melhorar suas dificuldades e fazer com que tudo aquilo que uma pessoa desejar ou precisar fazer, seja feito, mesmo que de maneira diferente do convencional: Há que funcionar.
• E de Escolaridade, olhar para a escola como uma das principais Ocupações da criança, perceber Aprendizagem como muito mais do que Ler e Escrever, estas duas tão buscadas e tão temidas caso não aconteçam, devem ser instrumento, possibilitada quando preciso for, potencializada, quando de um empurrãozinho precisar, substituída quando a maneira convencional não acontecer ou até mesmo adaptada, para aqueles que não as adquiram possam aprender aquilo que lhe será útil, não acomodar e ao menos acreditar que aquele que não ler não poderá aprender os conceitos aplicados à vida.


O que É um programa de IntervenÇÃo?
No Brasil a palavra Intervenção é pouco comum, já que quando se trata de reabilitação ouvimos a palavra estimulação, então por que optamos por não falar de programa de estimulação domiciliar?
Acreditamos que Intervenção é uma estimulação na medida certa, dificultar quando preciso for, facilitar quando assim for necessário, possibilitar o fazer a todo momento e não somente ensinar algo acreditando que um dia esta pessoa virá a fazer, acreditamos no futuro, mas é preciso explorar o agora, por isso intervimos, a todo momento.


Por que intervir em casa?
• Modalidade de intervenção muito comum em países da Europa e da América do Norte, que acredita que a criança tem mais facilidade para se regular, ou seja, estar mais apto para aprender, já que previamente reconhece seu ambiente, os objetos e o funcionamento familiar.
• As atividades realizadas em casa, necessariamente estão interligadas por conceitos, o que significa que nada pode ser feito por fazer, além do mais faz-se necessário atuar sob a demanda escolar, cronológica do desenvolvimento e social a qual a criança pertence.
• Por fim, se tratando de uma criança, o programa que é planejado individualmente, trabalha sob sua demanda, reafirmando o fato de que para agir no mundo preciso aprender a agir sob e com o meu eu, isto acontece naturalmente, dentro do desenvolvimento, o que buscamos é oferecer isto para aqueles que no decorrer do processo tiveram impossibilitações e/ou dificuldade para que isto acontecesse.


Quem faz o LIFE?
O LIFE – Programa de Intervenção Domiciliar, é pensando, planejado e orientado exclusivamente pelos Terapeutas da Inclusão Eficiente, que necessariamente deverão:
• Conhecer a Criança, sua história, suas habilidades e dificuldades;
• Reunir-se com os responsáveis por ela;
• Conhecer seus contextos: escola, casa, terapias, etc;
• Ter um Acompanhante Terapêutico para colocar em prática o programa.


O que É um Acompanhante TerapÊutico (AT)?
O AT é muito comum em outros países, como na Argentina, onde já é uma profissão bastante difundida, aqui no Brasil vem crescendo o número de famílias que optam por ter um AT com seus filhos; A estes profissionais cabe a função de ser filtro da criança, nunca par da mesma. Favorecer a execução, buscar a exploração e a participação e possibilitar maneiras diferentes de que as habilidades da criança possam ser usadas. Estes profissionais serão treinados e supervisionados continuamente pelos assessores da Inclusão Eficiente.