Compartilhe
Tamanho da fonte


7/1/2017
A INTERAÇÃO SOCIAL COMEÇA EM CASA
O universo de relações e compartilhamentos começam em casa, com as pessoas mais próximas. São as trocas mais simples e cotidianas que nós nem paramos para pensar como tudo acontece ao longo do crescimento das crianças.

Os pais estão constantemente trocando brincadeiras com os filhos, mostrando as variadas coisas do mundo ao longo do dia a dia e do crescimento da criança. Quando há uma criança na família com algum transtorno do desenvolvimento essa interação passa a ser um pouco mais difícil de fazer e os familiares precisam se esforçar mais para ajudar o filho a compartilhar momentos, brincadeiras e participação social em casa. Quando se trata de uma família com irmãos essas dificuldades também são visíveis na relação entre ambos, sejam eles mais novos ou mais velhos.
As relações compartilhadas entre um adulto e uma criança com dificuldades no desenvolvimento social, exige uma maior atenção e ação do adulto para manter a inter-relação, enquanto entre crianças a relação é visivelmente mais leve e natural, mas necessita de mediações de outros parceiros mais velhos. Os adultos têm mais facilidade e capacidade de suprir as necessidades da brincadeira e articular estratégias para mantê-la por mais tempo, já que conseguem forçar e pensar mais claramente nas necessidades da criança e do objetivo da brincadeira ou atividade. Já as crianças precisam uma da outra para manter em equilíbrio a interação e, quando uma das crianças tem dificuldades na interação com os pares, com a imaginação, com a simbolização em jogos e brincadeiras é mais difícil para a outra criança manter essa relação sozinha e criar o processo de interação. Apesar disso, as crianças são ótimas parceiras para promover as habilidades sociais e participativas, desde que sejam instruídas em alguns momentos e ambas recebam dicas de mediadores adultos capazes de auxiliar na construção dos vínculos, das habilidades da brincadeira ou atividade, da comunicação e de possíveis adaptações ambientais e/ou nas próprias crianças.
O LIFE, programa de intervenção domiciliar tem um papel muito importante na construção dos vínculos e interação entre os irmãos já que a inclusão social começa ainda em casa. As brincadeiras e atividades próprias da cultura familiar precisam sempre ter importância na exploração do cotidiano. É necessário investir nas habilidades da criança e incentiva-la a aprender e se interessar por brincadeiras e tarefas de comum acordo com a irmã ou irmão, favorecendo a interação entre ambos. Além disso, a estimulação da compreensão e aceitação por parte do irmão é essencial, entendendo as habilidades, dificuldades e as estratégias adequadas para conseguir brincar e participar das tarefas do cotidiano com a criança deficiente.
As intervenções nesse contexto são baseadas na orientação dos acompanhantes e familiares adultos sobre estratégias de favorecer a interação natural e mútua entre os irmãos através do que acontece no cotidiano da família e nos desejos das crianças. Essas estratégias estão ligadas desde propor brincadeiras adaptadas de interesse das crianças, como circuitos com obstáculos difíceis e fáceis, fazer de mãos dadas, cada hora um é o líder da brincadeira. Outra estratégia interessante é a participação em conjunto de tarefas de casa, como arrumar a mesa do almoço em que cada um ganhará suas sub tarefas ou os dois precisam fazer juntos; Ensinar habilidades específicas para brincar de determinado jogo, favorecendo a participação dos dois sem esquecer o nível de habilidade individual. O LIFE está vinculado também à orientação dos mediadores adultos para que eles consigam observar aos detalhes dessa interação ficando sempre atentos aos momentos de facilitar, adaptar e/ou se afastar das crianças quando necessário.

Alice Wilken - Terapeuta Ocupacional pela Universidade Federal de Minas Gerais. Aperfeiçoamento em Reabilitação Neuropediátrica na Associação Mineira de Reabilitação/ MG. Cursando pós-graduação em Pscicopedagogia e especialização em Neuroaprendizagem. Formação completa no Programa de Intervenção Domiciliar LIFE. Assessora de Inclusão e Reabilitação.




voltar