Compartilhe
Tamanho da fonte


21/9/2016
INCLUSÃO EFICIENTE MINAS GERAIS REALIZA CAPACITAÇÃO SOBRE INCLUSÃO ESCOLAR EM NA UMEI-OP
Em Belo Horizonte, a UMEI (Unidade Municipal de Educação Infantil) tornou-se referência nacional e internacional no que se refere a um modelo de educação pública infantil, abrangendo a faixa etária de 4 meses a 5 anos e 6 meses.

Em Belo Horizonte, a UMEI (Unidade Municipal de Educação Infantil) tornou-se referência nacional e internacional no que se refere a um modelo de educação pública infantil, abrangendo a faixa etária de 4 meses a 5 anos e 6 meses. São prioridades para ingressar na escola, as crianças em situação de vulnerabilidade social, que residem em áreas de risco e as que apresentam algum tipo de deficiência.

A cada ano cresce no país o número de crianças com necessidades educacionais especiais (NEE) na rede regular de ensino. A política de inclusão educacional traz inúmeros benefícios para todos, embora acompanhados de desafios para instituições, professores e sociedade. A Constituição Brasileira de 1988 garante às crianças e adolescentes, sem exceção, o acesso ao ensino fundamental regular, e deixa claro que a criança com NEE deve receber atendimento especializado complementar, de preferência dentro da escola.

Uma demanda frequente dos professores quando o tema é inclusão escolar é a falta de capacitação. Tendo em vista a qualificação dos profissionais da sua equipe, Adriana Gama, vice-diretora da UMEI Ouro Preto investiu em encontros que contemplaram aspectos importantes da aprendizagem, os paradigmas da inclusão, estratégias facilitadoras em sala de aula e a importância do trabalho em equipe e parceria com os profissionais da saúde. Segundo a professora Ana Paula Medina, “O professor precisa da ajuda de outros profissionais para eficácia do trabalho, como: organização da rotina, das atividades propostas, entre outros”. Os professores envolvidos estavam interessados e dispostos a fazer a diferença no processo de aprendizagem e inclusão de cada criança.

A caminhada é longa e o processo necessita do envolvimento de cada profissional da escola! E cada um tem um papel determinante no desenvolvimento das crianças enquanto cidadãs que respeitam e acreditam na inclusão.

Após a capacitação, foi realizada uma reunião para fechamento na qual foi apresentado um caso clínico de uma das crianças atendidas pelo LIFE, ilustrando e comprovando as possibilidades de uma inclusão de verdade!

Novas demandas surgiram no decorrer da capacitação e propostas foram apresentadas à direção da UMEI, tendo em vista a continuidade a esse trabalho e o investimento na equipe de profissionais que atuam com as crianças com NEE.

“Vou observar melhor as crianças com NEE, lembrando que devemos oferecer algo diferente para os que necessitam, lembrando que todos têm diferentes necessidades, não só os com NEE”. Telma Estrela, professora UMEI - Ouro Preto.




voltar